Filhote divide atenção de fêmeas no recinto dos bugios

Enriquecimento ambiental e suplementação alimentar contribuem para o nascimento em cativeiro de mais um filhote de bugio-preto

Um filhote de bugio-preto é novo xodó no recinto da espécie no Gramadozoo. O bugio nasceu no início de agosto e vive grudado ao tórax da mãe. No entanto, recebe atenção das outras macacas do recinto. O animal é o quarto da espécie a nascer no zoológico de Gramado. “Todo o grupo protege o filhote. O instinto e cuidado dos outros animais são impressionantes”, conta o veterinário Renan Stadler, responsável técnico do Gramadozoo.
Segundo ele, o filhote viverá agarrado à mãe até o 20º mês. “Para a mãe descansar, outras fêmeas cuidam dele”, revela.

CUIDADOS ESPECIAIS 



Para o veterinário, o nascimento é resultado das ações de enriquecimento ambiental desenvolvidas no recinto. “Quando o animal reproduz em cativeiro, é sinal de que está bem adaptado. Estamos sempre melhorando os recintos para garantir o bem-estar das espécies”, afirma.

Além do enriquecimento ambiental, a equipe veterinária faz suplementação alimentar. O pinhão, fruto típico da região, é inserido na alimentação dos animais durante o inverno e garante reforço calórico necessário.  “Nós monitoramos os animais para mantê-los no peso ideal para a reprodução”, afirma o responsável técnico.

SENTINELA DA FEBRE AMARELA

Stadler lamenta que a falta de conhecimento coloque em risco a continuidade da espécie. Segundo ele, os bugios acabam mortos pela ideia errônea de que a espécie causa febre amarela. O veterinário explica que o bugio é um sentinela da febre amarela e não o transmissor da doença. “Quem transmite, é o mosquito através da picada. Tem gente que vê um bugio morto e pensa que ele é o transmissor. Na verdade, o bugio é vítima do mosquito e avisa sobre a proliferação do inseto”, explica.

SOBRE O BUGIO-PRETO

Dimorfismo sexual: os animais da espécie apresentam coloração diferente. Enquanto os machos são pretos, as fêmeas e os filhotes são amarelos.

Ronco do bugio: os animais possuem um osso na garganta, o osso hióide. Por conta do enorme volume do osso, os bugios emitem vocalizações poderosas, que podem ser ouvidas à quilômetros de distância. As vocalizações são usadas para demarcar território e acabam por impedir que outros grupos se aproximem, evitando encontros agressivos diretos.

Alimentação: os bugios se alimentam especialmente de folhas, mas também comem frutos.

Reprodução: o tempo de gestação é de sete meses e os filhotes podem viver agarrados ao tórax da mãe por até 20 meses. 

Crédito: Divulgação Gramadozoo / Foto: Halder Ramos

.

.